Aplicativo com dicas do Slow Food será lançado em Porto Alegre

Um aplicativo com 847 sugestões de onde comer, comprar e passar tempo livre, no Brasil, seguindo os preceitos do Slow Food, será lançado na próxima segunda-feira, pelo fundador do movimento, Carlos Petrini,  na abertura do evento gastronômico Mesa ao Vivo Rio Grande do Sul, no Senac, em Porto Alegre.



Lançado simultaneamente na Europa, o aplicativo Slow Food Planet inclui 12.500 recomendações em 22 países, escolhidas por mais de 2 mil colaboradores ao redor do mundo. O app pode ser baixdo gratuitamente na Apple Store ou Google Play, com acesso gratuito inicial a um território da escolha do usuário.  Associados do Slow Food têm acesso imediato a dez territórios. Cada local adicional tem custo de U$ 1,99 e pode ser comprado separadamente, de acordo com os interesses e necessidades de cada um. A verba arrecadada com o aplicativo será destinada ao movimento e o app tem como um dos objetivos conseguir patrocinadores e novos apoiadores para a organização.
No Brasil, o aplicativo traz sugestões de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Brasília, Goiania e região, Belém e arredores, Amazonas - Manaus, Norte Catarinense, Florianópolis e Porto Alegre.
A consulta pode ser feita em 3 categorias: Tempo para comer, Tempo para comprar Tempo para mim. Tempo para comer  reúne uma série de cafés, bares e restaurantes. Em Tempo para mimé possível selecionar a bebida e a comida que mais combinam com seu estado de espírito. Tempo para comprar permite encontrar lojas de produtos típicos e comprar diretamente dos produtores.

Todas as informações de cada indicação estão reunidas em uma única ficha: fotos, endereço, telefone, custo médio, link para o website, horário de funcionamento, uma breve descrição do local e, por fim, o mapa. Além disso, é possível visualizar os lugares de acordo com a faixa de preço, o dia da semana, o momento do dia, e outras especificações como menu para celíacos, boa quantidade de opções vegetarianas, mesas ao ar livre e ingredientes regionais.

0 comentários:

Postar um comentário